O Aniversário da Arte

#DesafioPNA

Faz uma cova e pensa na escultura de ar que acabaste de criar. 

Publica no Facebook ou Instagram com #DesafioPNA o que descobriste. 

Explora os recursos abaixo:

A infância da arte!

#DesafioPNA

Na Idade da Pedra, os humanos viviam da caça, da pesca e das plantas que recolhiam da naturezaAbrigavam-se nas grutas e eram capazes de fazer objetos, como machados e pontas de lança– e isso mostra-nos a sua inteligência e a diferença em relação aos outros animais. Mas há outras marcas surpreendentes dos nossos antepassados: os seus desenhos e pinturas, que mostram animais, cavalos, bisontes, cabras, por vezes desenhos de homens e mulheres, ou apenas a marca deixada pelas suas mãos na pedra. São o primeiro sinal sensível do homem e da arte, da nossa presença no universo 

 

Em Portugal, no Vale do Côa, encontram-se exemplos incríveis de arte rupestre, gravuras feitas em rochas. Porque terão feito estes desenhos? Queres descobrir? 

– pesquisa sobre as gravuras rupestre de Foz Côa.  

– desenha e identifica os animais representados na figura  

 publica no Facebook ou Instagram com #DesafioPNA o que descobriste. 

Dicas: Para não te perderes no “labirinto” dos traços podes seguir as linhas do desenho com a ponta do dedo no écran. No teu desenho contorna cada figura de animal com uma cor diferente, assim consegues distingui-los melhor! 

Explora os recursos abaixo:

Que tal visitar um museu!

#DesafioPNA

Desde a pré-história que os humanos colecionam objetos e lhes atribuem valor afetivo, cultural ou material. Os museus nasceram porque somos curiosos e gostamos de colecionar o que nos fascina no seu aspeto ou nas histórias que contam. 

Que museu está mais perto de ti Esta semana desafiamos-te a visitá-lo. Leva um caderno, lápis, câmara ou telemóvel, ou outro equipamento de registo

  1. Durante a visita ao museu: observa, procura peças ou espaços que comuniquem contigo. Deixa-te impressionar com o que vês e sentes
  2. Descobriste algo completamente novo? Um objeto, uma história, um lugar? Sentiste um arrepio?  Ficaste inspirado, interrogado, alegre, triste, melancólico… que reação, te provocou o museu? 
  3. Regista, no caderno de notas, através de uma fotografia (sem flash), de um desenho ou de outro tipo de registo, as imagens, sensações e as reações que viveste no museu.  
  4. Insere este registo(palavras, frases, desenhos)e as imagens recolhidas, numa pasta (real ou digital) que podes identificar como: “Arquivo Pessoal dos Museus que Visitei” e partilha-a numa publicação com outros amigos/colegas e com o #DesafioPNA  

Explora os recursos abaixo:

E se a minha casa fosse um museu?

#DesafioPNA

A Casa: Domus – é um espaço de desenvolvimento do ser humano. Nela acontecem episódios que marcam para sempre os seus habitantes, há objetos que “falam” e “contam” histórias de vida. Quando os usamos ativamos memórias e por isso associamo-los a “máquinas de viajar no tempo”.

O desafio desta semana celebra o Dia Internacional dos Museus, e convida-te a olhar a Casa como um Museu, um lugar onde se preservam vestígios da humanidade:  

Observa as “coleções privadas” que tens em Casa e elege uma ou duas peças.
Têm marcas de uso? De que materiais são feitas? Qual a sua origem? 
Como chegaram a tua Casa? A quem pertenceram? Ainda estão completas? Qual o seu estado de conservação? 
Que histórias podes contar sobre estes objetos?

Elabora um registo para cada peça que contenha imagem (fotografia- desenho- vídeo) e representa a sua história, ou o que ela significa para ti.
Publica no FB ou Instagram com #DesafioPNA 

Explora os recursos abaixo:

A Natureza com os olhos bem abertos

#DesafioPNA

Esta semana desafiamos-te a observar em detalhe – uma pétala de flor, uma folha, um fruto, um caule, uma semente, uma raiz – uma aranha ou uma formiga.

Amplia a sua imagem usando uma lupa, um visor (janela retangular de enquadramento) ou a função do zoom da câmara do telemóvel: observa novamente com atenção cada pormenor, desenha a ampliação até já não se reconhecer o contorno da forma inicial, não te incomodes com a estranheza que causa.

Desenha com cor ou a preto e branco, depois podes recortar o desenho em pedaços e manipulá-los como num puzzle, a seguir compõe e cola-os formando uma estrutura reinventada, natural ou abstrata, como um elemento de uma Natureza alternativa. Nomeia-o.

A partir do teu modelo podes passar da colagem 2D para um modelo 3D em massa de modelar, argila, ou outras formas criativas de construção de volumes.

Fotografa a tua criação e publica-a no Facebook ou Instagram com #DesafioPNA.

Natureza – Ambiente – Ativismo – Arte – Fruição

Este filme inspirador, em que as flores e os Insetos são os principais protagonistas, dá-nos vontade de conhecer e sentir a natureza à nossa volta.

A chegada da primavera é sempre aguardada com desejo. O brotar das folhas e das flores torna-se um espetáculo emocionante. O regresso cíclico desta estação é celebrado há muito tempo pelas comunidades humanas.

São também muitos os artistas que a celebram e partilham as suas preocupações em torno da sustentabilidade do nosso planeta e convocam a natureza, o ambiente, o ativismo e a política nos processos criativos e nas suas obras.

Explora os recursos abaixo:

A Arte pode ser Protesto?

#DesafioPNA

Esta semana, o desafio é fazeres um protesto, uma contestação criativa, todos nós temos assuntos sobre os quais gostaríamos de reclamar, transformar!

Como sugerem as Guerrilla Girls “Craft our message”, transforma a tua mensagem/contestação em algo feito por ti: uma imagem, um cartaz, uma colagem, uma modelagem ou outra criação tua

Se quiseres publica no Facebook ou Instagram colocando #DesafioPNA

 

Quem são as Guerrilla Girls?

Em 1984, um grupo de sete artistas mulheres organizou um protesto junto ao Museu de Arte Moderna (MoMA), em  Nova Iorque, contra a discriminação a que tinham sido sujeitas artistas femininas, na seleção para uma exposição de artes visuais: de 165 artistas selecionados, só 13 eram mulheres! Nasceu assim o movimento artístico feminino das Guerrilla Girls. Destacam-se, entre as muitas atividades de protesto (“guerrilha artística”), a criação de cartazes afixados pela cidade e performances usando máscaras de gorila; o lançamento de inquéritos a museus de arte sobre a representatividade feminina nas suas coleções; e os weenie counts, ação em que convidavam os visitantes dos museus a contarem o número de artistas homens e o número de artistas mulheres em cada exposição. Constataram que a maioria dos artistas representados eram do sexo masculino.

Ao longo dos anos várias mulheres foram passando pelo grupo, sempre anónimas, utilizando pseudónimos de artistas mulheres consagradas, e usando máscaras de gorila: “A nossa identidade pessoal é menos importante do que aquilo que defendemos”.

Atualmente as Guerrilla Girls incluem nas suas ações de contestação artística a luta antirracista e a militância LGBT. “O nosso maior projeto é ter formas cada vez mais criativas de protestar.”

Explora os recursos abaixo:

"A Liberdade está a passar por aqui"

Esta semana o #DesafioPNA celebra o 25 de Abril.
O fim da ditadura e a alvorada da liberdade.
O fim da opressão à luz da democracia.
O dia 25 de Abril de 1974, Revolução dos Cravos, foi um dia longamente desejado pelos portugueses e as palavras Liberdade, Igualdade, Fraternidade saíram à rua sem medo.

Agora é a tua vez:

Com o aproximar da data queremos celebrar, mas agora de outro modo, a partir de casa, reinventando a forma, mas mantendo a sua simbologia.
Cria uma frase, um poema, uma fotografia, um desenho, um vídeo ou uma canção, que expresse o que o 25 de abril e a Liberdade representam para ti!

Publica a tua produção no Facebook ou Instagram, com  #DesafioPNA e identifica o Plano Nacional das Artes!

Explora os recursos abaixo:

Mais sobre o 25 de Abril. Mais sobre Liberdade: